História

     Em abril de 2003 surgia o Grupo de Teatro Espírita Humberto Cavalvante (GTEHC) em homenagem ao ex-presidente do Centro Espírita Humildade e Amor (CEHA). A idéia que se iniciava na mocidade do centro espírita (MEGD) fora concretizada por 6 amigos: Daniel Guimarães, Laura Maria, Liezio Manoel, Lígia Almeida, Martha Xavier e Thiago Vinha com a proposta de unir a paixão pela arte e o desejo de divulgar a Doutrina Espírita.

     Com o objetivo inicial de montar algumas esquetes para serem apresentadas em reuniões púbicas, o grupo iniciava-se filiado ao CEHA como mais um trabalho voltado à arte espírita, a exemplo do Grupo Vocal e Instrumental Ernani Macedo (GVIEM). Após algumas reuniões onde se conversava a respeito de ensaios e idéias para o futuro, um grande amigo e ex-integrante da MEGD, Carlos Henrique ou simplesmente Caíque, oferecia uma peça que falava sobre o codificador da Doutrina Espírita.

     Desta forma, em junho de 2003 o GTEHC apresentava sua primeira peça: “Allan Kardec – vida e missão” com materiais e figurinos emprestados de outras companhias teatrais e com a pretensão de apresentar apenas no CEHA e em casas vizinhas.

     Em janeiro de 2004 já se iniciava um novo projeto que iria perdurar por muitos anos no período do Carnaval: “Nas Fronteiras da Loucura” baseado no livro de Manoel P. de Miranda, onde o grupo pode se aperfeiçoar mais na arte cênica devido às diferentes naturezas dos personagens.

     Após “Nas Fronteiras da Loucura”, ainda em 2004 voltávamos com a peça “Allan Kardec – vida e missão”, no entanto, aquela altura já tínhamos material próprio de iluminação e som, bem como figurino, e o rodízio de apresentações fora do CEHA e de Irajá se consolidava.

     Em 2005 estreava a peça “O Vaso de Porcelana” baseado no livro de Richard Simonetti, emocionando muitos espíritas espalhados nos Centros Espíritas do Rio de Janeiro sendo encenada até 2006. Paralelo às peças que eram encenadas, o GTEHC aumentava o número de participantes e encenava também alguns contos nas reuniões públicas e estudos do CEHA e outros centros. Algumas peças espíritas infantis também foram dramatizadas, como “Serafim, o espantalho” e “A mentira cabeluda”.

     Em março de 2007 a peça “Um homem chamado amor – a história do nosso Chico Xavier” misturava muito humor e reflexão contando a história do médium mineiro. Um pouco antes deste período o grupo se dividia, ou melhor, se multiplicava em 2 elencos, onde percebíamos que era possível alcançar muito mais pessoas na divulgação da Doutrina Espírita, com os ensaios normalmente aos domingos pela manhã. Enquanto um grupo ensaiava o outro apresentava no turno da tarde. Era instituído também o planejamento anual com datas pré-definidas de apresentação e ensaios.

      Em 2008 era apresentada a peça “Uma nova chance para Juliette” e completava-se a temporada da peça sobre Chico Xavier formando novo grupo que iria iniciar o trabalho de 2009 quando estreava a peça “Aconteceu na Casa Espírita” que dividia as atenções com “Allan Kardec – vida e missão” que voltava aos palcos pela 3ª vez. As duas últimas peças mencionadas iriam completar as temporadas em meados de 2010 quando novas histórias começavam a florescer como “Encontros e Despedidas”. Algumas apresentações fora da cidade natal também apareciam, como em Mambucaba, Itaboraí, Papucaia e Madalena.

     Em 2011 o grupo resolve dar ênfase à família e reestreava a peça “O Vaso de Porcelana” juntamente com a primeira comédia: “Família, uma comédia genial” descontraindo e ao mesmo tempo levando a mensagem cristã sobre a instituição familiar.

      Em 2013 o GTEHC inicia as apresentações de “O 4º Rei Mago” com a emocionante estória de Artaban em busca do rabí da Galiléia e “A vida por um fio”, baseado na técnica de Clown onde o Espiritismo é mostrado de forma engraçada e descontraída.

     Em 2015 estreava a peça “O Mistério da Mansão Winston” que fora um presente do NEA de Florianópolis e que esteve muito tempo em cartaz também com o grupo Integrarte de Curitiba. A estreia se deu em dois horários com dois elencos diferentes e as temporadas com a mesma temática de muita comédia e suspense permanece ativa.

     Em julho de 2017 estreia a peça “Sexo e Destino”, baseada no livro homônimo de André Luiz, psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira.

     Com toda estrutura de som, iluminação, efeitos especiais (fumaça e strobble), figurino e cenários, o GTEHC não cobra por suas apresentações e tem como objetivo principal, divulgar a Doutrina Espírita através da arte. Hoje o grupo tem como facilitadores: Bárbara Antunes, Laura Maria, Geraldo Oliveira, Glória Vinha e Thiago Vinha. Os contatos podem ser feitos através de e-mail ou telefones encontrados no próprio site.


One Comment

  1. Mariana 5 maio, 2015 at 12:30 pm - Reply

    Estou no grupo há algum tempo, mas não conhecia toda sua história. Muito legal esse espaço!

Leave A Response

*